ClickCease
+1 915 850-0900 spinedoctors@gmail.com
Selecione Página

Lesões esportivas

Voltar Clínica Lesões Esportivas Equipe de Quiropraxia e Fisioterapia. Atletas de todos os esportes podem se beneficiar do tratamento quiroprático. Os ajustes podem ajudar a tratar lesões causadas por esportes de alto impacto, como luta livre, futebol americano e hóquei. Os atletas que passam por ajustes de rotina podem notar um melhor desempenho atlético, melhor amplitude de movimento junto com flexibilidade e aumento do fluxo sanguíneo. Como os ajustes da coluna reduzem a irritação das raízes nervosas entre as vértebras, o tempo de cicatrização de pequenas lesões pode ser reduzido, o que melhora o desempenho. Atletas de alto e baixo impacto podem se beneficiar dos ajustes rotineiros da coluna.

Para atletas de alto impacto, aumenta o desempenho e flexibilidade e reduz o risco de lesões para atletas de baixo impacto, ou seja, jogadores de tênis, jogadores de boliche e jogadores de golfe. A quiropraxia é uma forma natural de tratar e prevenir diferentes lesões e condições que afetam os atletas. De acordo com o Dr. Jimenez, treinamento excessivo ou equipamento impróprio, entre outros fatores, são causas comuns de lesões. O Dr. Jimenez resume as várias causas e efeitos das lesões esportivas no atleta, bem como explica os tipos de tratamentos e métodos de reabilitação que podem ajudar a melhorar a condição do atleta. Para obter mais informações, não hesite em nos contatar em (915) 850-0900 ou enviar uma mensagem de texto para ligar pessoalmente para o Dr. Jimenez em (915) 540-8444.


Proteção do pulso: como prevenir lesões ao levantar pesos

Proteção do pulso: como prevenir lesões ao levantar pesos

Para quem levanta pesos, existem maneiras de proteger os pulsos e prevenir lesões ao levantar pesos?

Proteção do pulso: como prevenir lesões ao levantar pesos

Proteção de pulso

Os pulsos são articulações complexas. Os pulsos contribuem significativamente para a estabilidade e mobilidade ao realizar tarefas ou levantar pesos. Eles proporcionam mobilidade para movimentos com as mãos e estabilidade para carregar e levantar objetos com segurança (Biblioteca Nacional de Medicina, 2024). O levantamento de pesos é comumente realizado para fortalecer e estabilizar os pulsos; no entanto, esses movimentos podem causar dor no punho e causar lesões se não forem realizados corretamente. A proteção dos pulsos pode mantê-los fortes e saudáveis ​​e é fundamental para evitar tensões e lesões.

Força do pulso

As articulações do punho estão situadas entre os ossos da mão e do antebraço. Os pulsos estão alinhados em duas fileiras de oito ou nove pequenos ossos/ossos do carpo e estão conectados aos ossos do braço e da mão por ligamentos, enquanto os tendões conectam os músculos circundantes aos ossos. As articulações do punho são articulações condilóides ou esféricas modificadas que auxiliam nos movimentos de flexão, extensão, abdução e adução. (Biblioteca Nacional de Medicina. 2024) Isso significa que os pulsos podem se mover em todos os planos de movimento:

  • Lado a lado
  • Cima e para baixo
  • Rodar

Isso proporciona uma ampla gama de movimentos, mas também pode causar desgaste excessivo e aumentar o risco de tensão e lesões. Os músculos do antebraço e da mão controlam o movimento dos dedos necessário para agarrar. Esses músculos e os tendões e ligamentos envolvidos percorrem o pulso. Fortalecer os pulsos irá mantê-los móveis, ajudar a prevenir lesões e aumentar e manter a força de preensão. Em uma revisão sobre levantadores de peso e levantadores de peso que examinou os tipos de lesões que eles sofrem, as lesões no punho eram comuns, sendo as lesões musculares e tendinosas as mais comuns entre os levantadores de peso. (Ulrika Aasa et al., 2017)

Protegendo os pulsos

A proteção do pulso pode usar uma abordagem múltipla, que inclui aumento consistente de força, mobilidade e flexibilidade para melhorar a saúde e prevenir lesões. Antes de levantar pesos ou praticar qualquer novo exercício, os indivíduos devem consultar seu médico primário, fisioterapeuta, treinador, médico especialista ou quiroprático esportivo para ver quais exercícios são seguros e oferecem benefícios com base no histórico de lesões e no nível atual de saúde..

Aumentar a Mobilidade

A mobilidade permite que os pulsos tenham uma amplitude completa de movimento, mantendo a estabilidade necessária para resistência e durabilidade. A falta de mobilidade na articulação do punho pode causar rigidez e dor. A flexibilidade está ligada à mobilidade, mas ser excessivamente flexível e sem estabilidade pode causar lesões. Para aumentar a mobilidade do punho, realize exercícios pelo menos duas a três vezes por semana para melhorar a amplitude de movimento com controle e estabilidade. Além disso, fazer pausas regulares ao longo do dia para girar e circular os pulsos e puxar suavemente os dedos para esticá-los ajudará a aliviar a tensão e a rigidez que podem causar problemas de mobilidade.

Aquecer

Antes do treino, aqueça os pulsos e o resto do corpo antes do treino. Comece com exercícios cardiovasculares leves para fazer o líquido sinovial circular nas articulações para lubrificar as articulações, permitindo movimentos mais suaves. Por exemplo, os indivíduos podem fechar os punhos, girar os pulsos, realizar exercícios de mobilidade, flexionar e estender os pulsos e usar uma das mãos para puxar suavemente os dedos para trás. Cerca de 25% das lesões desportivas envolvem a mão ou o pulso. Isso inclui lesão por hiperextensão, rupturas de ligamentos, dor no punho frontal ou lateral do polegar devido a lesões por uso excessivo, lesões extensoras e outras. (Daniel M. Avery 3º e outros, 2016)

Exercícios de fortalecimento

Pulsos fortes são mais estáveis ​​e fortalecê-los pode fornecer proteção ao pulso. Os exercícios que melhoram a força do pulso incluem flexões, levantamento terra, carregamentos carregados e Cachos Zottman. A força de preensão é vital para a realização de tarefas diárias, um envelhecimento saudável e um sucesso contínuo no levantamento de peso. (Richard W. Bohannon 2019) Por exemplo, indivíduos que têm dificuldade em aumentar o peso em seus levantamentos terra porque a barra escorrega de suas mãos podem ter força insuficiente no pulso e na preensão.

Wraps

Vale a pena considerar bandagens para os pulsos ou produtos de auxílio à preensão para aqueles com problemas ou preocupações nos pulsos. Eles podem fornecer estabilidade externa adicional durante o levantamento, reduzindo a fadiga de aderência e a tensão nos ligamentos e tendões. No entanto, recomenda-se não confiar nas bandagens como uma medida panacéia e focar na melhoria da força, mobilidade e estabilidade individuais. Um estudo sobre atletas com lesões no punho revelou que as lesões ainda ocorreram apesar do uso de bandagens 34% das vezes antes da lesão. Como a maioria dos atletas lesionados não usava bandagens, isso apontava para possíveis medidas preventivas, mas os especialistas concordaram que são necessárias mais pesquisas. (Amr Tawfik e outros, 2021)

Prevenção de lesões por uso excessivo

Quando uma área do corpo sofre muitos movimentos repetitivos sem descanso adequado, ela fica desgastada, tensa ou inflamada mais rapidamente, causando lesões por uso excessivo. As razões para lesões por uso excessivo são variadas, mas não incluem exercícios variados o suficiente para descansar os músculos e evitar tensão. Uma revisão de pesquisa sobre a prevalência de lesões em levantadores de peso descobriu que 25% foram devido a lesões de tendão por uso excessivo. (Ulrika Aasa et al., 2017) Prevenir o uso excessivo pode ajudar a evitar possíveis problemas no pulso.

Forma adequada

Saber realizar os movimentos corretamente e usar a forma adequada durante cada sessão de treino/treino é essencial para prevenir lesões. Um personal trainer, fisioterapeuta esportivo ou fisioterapeuta pode ensinar como ajustar a pegada ou manter a forma correta.

Certifique-se de consultar seu provedor para obter autorização antes de levantar pesos ou iniciar um programa de exercícios. Lesões Médicas Quiropraxia e a Clínica de Medicina Funcional podem aconselhar sobre treinamento e pré-habilitação ou fazer encaminhamento, se necessário.


Saúde física


Referências

Erwin, J. e Varacallo, M. (2024). Anatomia, Ombro e Membro Superior, Articulação do Punho. Em StatPearls. www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/30521200

Aasa, U., Svartholm, I., Andersson, F., & Berglund, L. (2017). Lesões entre levantadores de peso e powerlifters: uma revisão sistemática. Jornal britânico de medicina esportiva, 51(4), 211–219. doi.org/10.1136/bjsports-2016-096037

Avery, DM, 3º, Rodner, CM e Edgar, CM (2016). Lesões de punho e mão relacionadas ao esporte: uma revisão. Jornal de cirurgia e pesquisa ortopédica, 11(1), 99. doi.org/10.1186/s13018-016-0432-8

Bohannon RW (2019). Força de preensão: um biomarcador indispensável para idosos. Intervenções clínicas no envelhecimento, 14, 1681-1691. doi.org/10.2147/CIA.S194543

Tawfik, A., Katt, BM, Sirch, F., Simon, ME, Pádua, F., Fletcher, D., Beredjiklian, P., & Nakashian, M. (2021). Um estudo sobre a incidência de lesões nas mãos ou punhos em atletas de CrossFit. Cureus, 13(3), e13818. doi.org/10.7759/cureus.13818

Recuperando-se de uma ruptura no tríceps: o que esperar

Recuperando-se de uma ruptura no tríceps: o que esperar

Para atletas e entusiastas de esportes, uma ruptura de tríceps pode ser uma lesão grave. Conhecer seus sintomas, causas, fatores de risco e possíveis complicações pode ajudar os profissionais de saúde a desenvolver um plano de tratamento eficaz?

Recuperando-se de uma ruptura no tríceps: o que esperar

Lesão de tríceps rasgada

O tríceps é o músculo na parte de trás do braço que permite que o cotovelo se endireite. Felizmente, as rupturas do tríceps são incomuns, mas podem ser graves. A lesão afeta mais homens do que mulheres e geralmente ocorre devido a traumas, esportes e/ou atividades físicas. Dependendo da extensão e gravidade da lesão, uma lesão rompida no tríceps pode exigir imobilização, fisioterapia e possivelmente cirurgia para recuperar o movimento e a força. A recuperação após uma ruptura do tríceps normalmente dura cerca de seis meses. (Centro Médico Wexner da Universidade Estadual de Ohio. 2021)

Anatomia

O músculo tríceps braquial, ou tríceps, corre ao longo da parte de trás do braço. É denominado tri- porque tem três cabeças - a cabeça longa, a medial e a lateral. (Sendic G. 2023) O tríceps se origina no ombro e se liga à omoplata/escápula e ao osso do braço/úmero. Na parte inferior, ele se fixa na ponta do cotovelo. Este é o osso do lado mindinho do antebraço, conhecido como ulna. O tríceps causa movimento no ombro e na articulação do cotovelo. No ombro realiza extensão ou movimento para trás do braço e adução ou movimento do braço em direção ao corpo. A principal função deste músculo está no cotovelo, onde realiza a extensão ou endireitamento do cotovelo. O tríceps trabalha o oposto do músculo bíceps na parte frontal do braço, que realiza a flexão ou flexão do cotovelo.

Lágrima de tríceps

As rupturas podem ocorrer em qualquer lugar ao longo de um músculo ou tendão, que é a estrutura que liga o músculo aos ossos. As rupturas do tríceps geralmente ocorrem no tendão que conecta o tríceps à parte posterior do cotovelo. As rupturas musculares e tendinosas são classificadas de 1 a 3 com base na gravidade. (Alberto Grassi et al., 2016)

Grau 1 Leve

  • Essas pequenas lágrimas causam dor que piora com o movimento.
  • Há algum inchaço, hematomas e perda mínima de função.

Grau 2 Moderado

  • Essas lágrimas são maiores e apresentam inchaço e hematomas moderados.
  • As fibras estão parcialmente rasgadas e esticadas.
  • Até 50% de perda de função.

Grau 3 Grave

  • Este é o pior tipo de ruptura, onde o músculo ou tendão está completamente rompido.
  • Essas lesões causam dor intensa e incapacidade.

Sintomas

As rupturas do tríceps causam dor imediata na parte posterior do cotovelo e na parte superior do braço, que piora ao tentar mover o cotovelo. Os indivíduos também podem sentir e/ou ouvir uma sensação de estalo ou lacrimejamento. Haverá inchaço e a pele provavelmente ficará vermelha e/ou machucada. Com uma ruptura parcial, o braço ficará fraco. Se houver uma ruptura completa, haverá fraqueza significativa ao endireitar o cotovelo. Os indivíduos também podem notar um caroço na parte de trás do braço, onde os músculos se contraíram e se uniram.

destaque

As rupturas do tríceps geralmente ocorrem durante um trauma, quando o músculo é contraído e uma força externa empurra o cotovelo para uma posição dobrada. (Kyle Casadei et al., 2020) Uma das causas mais comuns é cair com o braço estendido. As rupturas do tríceps também ocorrem durante atividades esportivas como:

  • Jogando uma bola de beisebol
  • Bloqueio em um jogo de futebol
  • Ginástica
  • Boxe
  • Quando um jogador cai e cai de braço.
  • As lágrimas também podem ocorrer ao usar pesos pesados ​​durante exercícios direcionados ao tríceps, como o supino.
  • As rupturas também podem ocorrer devido a trauma direto no músculo, como um acidente de automóvel, mas são menos comuns.

Longo prazo

As rupturas do tríceps podem ocorrer ao longo do tempo como resultado de tendinite. Essa condição geralmente ocorre devido ao uso repetitivo do músculo tríceps durante atividades como trabalho manual ou exercício. A tendinite do tríceps às vezes é chamada de cotovelo do levantador de peso. (Centro Ortopédico e de Coluna. DE) A tensão nos tendões causa pequenas rupturas que o corpo normalmente cura. No entanto, se for colocada mais pressão sobre o tendão do que ele consegue suportar, as pequenas lágrimas podem começar a crescer.

Fatores de Risco

Fatores de risco podem aumentar o risco de ruptura do tríceps. As condições médicas subjacentes podem enfraquecer os tendões, aumentando o risco de lesões, e podem incluir: (Tony Mangano et al., 2015)

  • Diabetes
  • Artrite reumatóide
  • Hiperparatireoidismo
  • Lúpus
  • Xantoma – depósitos de gordura de colesterol sob a pele.
  • Hemangioendotelioma – tumores cancerosos ou não cancerosos causados ​​pelo crescimento anormal de células dos vasos sanguíneos.
  • Insuficiência renal crônica
  • Tendinite crônica ou bursite no cotovelo.
  • Indivíduos que receberam injeções de cortisona no tendão.
  • Indivíduos que usam esteróides anabolizantes.

As rupturas do tríceps tendem a ocorrer mais comumente em homens entre 30 e 50 anos. (Balas Orto. 2022) Isso decorre da participação em atividades como futebol, levantamento de peso, musculação e trabalho manual, o que também aumenta o risco de lesões.

foliar

O tratamento depende de qual parte do tríceps é afetada e da extensão do dano. Pode ser necessário apenas descansar por algumas semanas, fisioterapia ou cirurgia.

Não cirúrgico

Rupturas parciais no tríceps que envolvem menos de 50% do tendão muitas vezes podem ser tratadas sem cirurgia. (Mehmet Demirhan, Ali Ersen 2016) O tratamento inicial inclui:

  • Colocar uma tala no cotovelo com uma leve flexão por quatro a seis semanas permite que o tecido lesionado cicatrize. (Balas Orto. 2022)
  • Durante esse período, pode-se aplicar gelo na área por 15 a 20 minutos, várias vezes ao dia, para ajudar a diminuir a dor e o inchaço.
  • Medicamentos antiinflamatórios não esteróides/AINEs – Aleve, Advil e Bayer podem ajudar a reduzir a inflamação.
  • Outros medicamentos vendidos sem receita, como o Tylenol, podem ajudar a diminuir a dor.
  • Depois que a tala for removida, a fisioterapia ajudará a restaurar o movimento e a força do cotovelo.
  • Espera-se que o movimento total retorne dentro de 12 semanas, mas a força total não retornará até seis a nove meses após a lesão. (Mehmet Demirhan, Ali Ersen 2016)

Cirurgia

As rupturas do tendão do tríceps que envolvem mais de 50% do tendão requerem cirurgia. Em alguns casos, entretanto, a cirurgia ainda pode ser recomendada para rupturas menores que 50% se o indivíduo tiver um trabalho fisicamente exigente ou planejar retomar a prática de esportes de alto nível. As rupturas no ventre muscular ou na área onde o músculo e o tendão se unem são normalmente costuradas novamente. Se o tendão não estiver mais preso ao osso, ele será parafusado novamente. A recuperação e a fisioterapia após a cirurgia dependem dos protocolos específicos do cirurgião. Em geral, os indivíduos passam algumas semanas usando aparelho ortodôntico. Cerca de quatro semanas após a cirurgia, os indivíduos poderão começar a mover o cotovelo novamente. No entanto, eles não poderão começar a fazer trabalhos pesados ​​por quatro a seis meses. (Balas Orto. 2022) (Mehmet Demirhan, Ali Ersen 2016)

Complicações

Podem ocorrer complicações após o reparo do tríceps, independentemente de ter havido cirurgia ou não. Por exemplo, os indivíduos podem ter problemas para recuperar a plena cotovelo extensão ou endireitamento. Eles também correm um risco maior de nova ruptura se tentarem usar o braço antes de estar totalmente curado. (Mehmet Demirhan, Ali Ersen 2016)


Tratamento quiroprático para cura após trauma


Referências

Centro Médico Wexner da Universidade Estadual de Ohio. (2021). Reparação do tríceps distal: diretriz de atendimento clínico. (Medicina, Edição. medicine.osu.edu/-/media/files/medicine/departments/sports-medicine/medical-professionals/shoulder-and-elbow/distaltricepsrepair.pdf?

Sendic G. Kenhub. (2023). Músculo tríceps braquial Kenhub. www.kenhub.com/en/library/anatomy/triceps-brachii-muscle

Grassi, A., Quaglia, A., Canata, GL e Zaffagnini, S. (2016). Uma atualização sobre a classificação de lesões musculares: uma revisão narrativa dos sistemas clínicos aos abrangentes. Articulações, 4(1), 39–46. doi.org/10.11138/jts/2016.4.1.039

Casadei, K., Kiel, J. e Freidl, M. (2020). Lesões do tendão do tríceps. Relatórios atuais de medicina esportiva, 19(9), 367–372. doi.org/10.1249/JSR.0000000000000749

Centro Ortopédico e de Coluna. (ND). Tendinite do tríceps ou cotovelo do levantador de peso. Centro de recursos. www.osc-ortho.com/resources/elbow-pain/triceps-tendonitis-or-weightlifters-elbow/

Mangano, T., Cerruti, P., Repetto, I., Trentini, R., Giovale, M., & Francin, F. (2015). Tendinopatia crônica como causa única de ruptura não traumática do tendão do tríceps em um fisiculturista (livre de fatores de risco): um relato de caso. Jornal de relatos de casos ortopédicos, 5(1), 58–61. doi.org/10.13107/jocr.2250-0685.257

Balas Orto. (2022). Ruptura de tríceps www.orthobullets.com/shoulder-and-elbow/3071/triceps-rupture

Demirhan, M. e Ersen, A. (2017). Rupturas distais do tríceps. Revisões abertas do EFORT, 1(6), 255–259. doi.org/10.1302/2058-5241.1.000038

Rupturas do tendão de Aquiles: fatores de risco explicados

Rupturas do tendão de Aquiles: fatores de risco explicados

Indivíduos que participam de atividades físicas e esportivas podem sofrer ruptura do tendão de Aquiles. Compreender os sintomas e riscos pode ajudar no tratamento e no retorno mais precoce do indivíduo à atividade esportiva?

Rupturas do tendão de Aquiles: fatores de risco explicados

Tendão de Aquiles

Esta é uma lesão comum que ocorre quando o tendão que liga o músculo da panturrilha ao calcanhar é rompido.

Sobre o tendão

  • O tendão de Aquiles é o maior tendão do corpo.
  • Nos esportes e atividades físicas, movimentos explosivos intensos como correr, correr, mudar rapidamente de posição e saltar são exercidos sobre o tendão de Aquiles.
  • Os homens são mais propensos a romper o tendão de Aquiles e sofrer uma ruptura do tendão. (G. Thevendran et al., 2013)
  • A lesão geralmente ocorre sem qualquer contato ou colisão, mas sim pelas ações de correr, iniciar, parar e puxar colocadas nos pés.
  • Certos antibióticos e injeções de cortisona podem aumentar a probabilidade de lesões por ruptura de Aquiles.
  • Um antibiótico específico, fluoroquinolonas, demonstrou aumentar o risco de problemas no tendão de Aquiles.
  • As injeções de cortisona também estão associadas às rupturas de Aquiles, razão pela qual muitos profissionais de saúde não recomendam cortisona para a tendinite de Aquiles. (Anne L. Stephenson e outros, 2013)

Sintomas

  • Uma ruptura ou ruptura do tendão causa dor repentina atrás do tornozelo.
  • Os indivíduos podem ouvir um estalo ou estalo e muitas vezes relatam a sensação de um chute na panturrilha ou no calcanhar.
  • Os indivíduos têm dificuldade em apontar os dedos dos pés para baixo.
  • Os indivíduos podem apresentar inchaço e hematomas ao redor do tendão.
  • Um profissional de saúde examinará o tornozelo para verificar a continuidade do tendão.
  • Supõe-se que apertar o músculo da panturrilha faz com que o pé aponte para baixo, mas em indivíduos com ruptura, o pé não se move, resultando em resultados positivos no Teste de Thompson.
  • Um defeito no tendão geralmente pode ser sentido após uma ruptura.
  • Os raios X podem ser usados ​​para descartar outras condições, incluindo fratura ou artrite do tornozelo.

Fatores de Risco

  • As rupturas do tendão de Aquiles são mais observadas em homens por volta dos 30 ou 40 anos. (David Pedowitz, Greg Kirwan. 2013)
  • Muitos indivíduos apresentam sintomas de tendinite antes de sofrer uma ruptura.
  • A maioria dos indivíduos não tem histórico de problemas anteriores no tendão de Aquiles.
  • A maioria das rupturas do tendão de Aquiles está associada a esportes com bola. (Youichi Yasui et al., 2017)

Outros fatores de risco incluem:

  • Gota
  • Injeções de cortisona no tendão de Aquiles
  • Uso de antibiótico fluoroquinolona

Os antibióticos fluoroquinolonas são comumente usados ​​para o tratamento de infecções respiratórias, infecções do trato urinário e infecções bacterianas. Esses antibióticos estão associados à ruptura do tendão de Aquiles, mas são necessárias mais pesquisas para determinar como eles afetam o tendão de Aquiles. Os indivíduos que tomam esses medicamentos são aconselhados a considerar um medicamento alternativo se começarem a desenvolver problemas no tendão de Aquiles. (Anne L. Stephenson e outros, 2013)

foliar

Dependendo da gravidade da lesão, o tratamento pode consistir em técnicas não cirúrgicas ou cirurgia.

  • O benefício da cirurgia é que geralmente há menos imobilização.
  • Muitas vezes, os indivíduos podem retornar às atividades esportivas mais cedo e há menos chance de nova ruptura do tendão.
  • Tratamento não cirúrgico evita os riscos cirúrgicos potenciais e os resultados funcionais em longo prazo são semelhantes. (David Pedowitz, Greg Kirwan. 2013)

Tratamento de entorses de tornozelo


Referências

Thevendran, G., Sarraf, KM, Patel, NK, Sadri, A., & Rosenfeld, P. (2013). A ruptura do tendão de Aquiles: uma visão atual da biologia da ruptura ao tratamento. Cirurgia musculoesquelética, 97(1), 9–20. doi.org/10.1007/s12306-013-0251-6

Stephenson, AL, Wu, W., Cortes, D., & Rochon, PA (2013). Lesão de tendão e uso de fluoroquinolona: uma revisão sistemática. Segurança de medicamentos, 36(9), 709–721. doi.org/10.1007/s40264-013-0089-8

Pedowitz, D. e Kirwan, G. (2013). Rupturas do tendão de Aquiles. Revisões atuais em medicina musculoesquelética, 6(4), 285–293. doi.org/10.1007/s12178-013-9185-8

Yasui, Y., Tonogai, I., Rosenbaum, AJ, Shimozono, Y., Kawano, H., & Kennedy, JG (2017). O risco de ruptura do tendão de Aquiles em pacientes com tendinopatia de Aquiles: análise de banco de dados de saúde nos Estados Unidos. Pesquisa BioMed internacional, 2017, 7021862. doi.org/10.1155/2017/7021862

Terapia fria com fita de gelo para lesões musculoesqueléticas

Terapia fria com fita de gelo para lesões musculoesqueléticas

Para indivíduos que praticam esportes, entusiastas do condicionamento físico e aqueles que praticam atividades físicas, lesões musculoesqueléticas são comuns. O uso de fita adesiva de gelo pode ajudar durante a fase inicial ou aguda da lesão a diminuir a inflamação e o inchaço para acelerar a recuperação e o retorno às atividades mais cedo?

Terapia fria com fita de gelo para lesões musculoesqueléticasFita de gelo

Após uma lesão musculoesquelética, recomenda-se que os indivíduos sigam o R.I.C.E. método para ajudar a reduzir o inchaço e a inflamação. ARROZ. é a sigla para Rest, Ice, Compression e Elevation. (Medicina de Michigan. Universidade de Michigan. 2023) O frio ajuda a diminuir a dor, diminuir a temperatura dos tecidos e diminuir o inchaço ao redor do local da lesão. Ao controlar a inflamação com gelo e compressão logo após a lesão, os indivíduos podem manter a amplitude de movimento e mobilidade adequadas ao redor da parte lesionada do corpo. (Jon E. Bloco. 2010) Existem diferentes maneiras de aplicar gelo em uma lesão.

  • Sacos de gelo e compressas frias comprados em lojas.
  • Mergulhar a parte lesionada do corpo em uma banheira de hidromassagem ou banheira fria.
  • Fazendo bolsas de gelo reutilizáveis.
  • Uma bandagem de compressão pode ser usada junto com o gelo.

Fita de gelo é uma bandagem de compressão que fornece terapia fria de uma só vez. Após uma lesão, aplicá-lo pode ajudar a diminuir a dor e o inchaço durante a fase inflamatória aguda da cicatrização. (Matthew J. Kraeutler e outros, 2015)

Como funciona a fita

A fita é uma bandagem flexível que é infundida com gel terapêutico refrescante. Ao ser aplicado em uma parte lesionada do corpo e exposto ao ar, o gel é ativado, gerando uma sensação de frio no local. O efeito terapêutico terapêutico pode durar de cinco a seis horas. Combinado com uma bandagem flexível, proporciona terapia de gelo e compressão. A fita de gelo pode ser usada direto da embalagem, mas também pode ser guardada na geladeira para aumentar o efeito do frio. Dependendo das instruções do fabricante, a fita não deve ser armazenada no freezer, pois isso pode dificultar o enrolamento na área lesionada.

Vantagens

Os benefícios incluem o seguinte:

Fácil de usar

  • O produto é fácil de usar.
  • Retire a fita e comece a enrolá-la na parte lesionada do corpo.

Fixadores não necessários

  • O envoltório adere a si mesmo, de modo que a fita permanece no lugar sem o uso de clipes ou prendedores.

Fácil de cortar

  • O rolo padrão tem 48 polegadas de comprimento por 2 polegadas de largura.
  • A maioria das lesões exige o suficiente para envolver a área lesionada.
  • A tesoura corta a quantidade exata necessária e guarda o restante no saco que pode ser fechado novamente.

Reutilizável

  • Após 15 a 20 minutos da aplicação, o produto pode ser facilmente retirado, enrolado, guardado no saco e reutilizado.
  • A fita pode ser usada várias vezes.
  • A fita começa a perder a qualidade de resfriamento após vários usos.

Portátil

  • A fita não precisa ser colocada em um refrigerador durante viagens.
  • É facilmente portátil e perfeito para uma aplicação rápida de gelo e compressão imediatamente após uma lesão.
  • Pode diminuir a dor e a inflamação e ser mantido no local de trabalho.

Desvantagens

Algumas desvantagens incluem o seguinte:

Odor Químico

  • O gel do invólucro flexível pode ter odor de remédio.
  • Não tem um cheiro tão forte quanto os cremes analgésicos, mas o odor químico pode incomodar algumas pessoas.

Pode não estar frio o suficiente

  • A fita funciona para o alívio imediato da dor e da inflamação, mas pode não esfriar o suficiente para o usuário quando aplicada direto da embalagem em temperatura ambiente.
  • Porém, pode ser colocado na geladeira para aumentar o frio e proporcionar um efeito de resfriamento mais terapêutico, principalmente para quem sofre de tendinite ou bursite.

A aderência pode distrair

  • A fita pode ser um pouco pegajosa para alguns.
  • Esse fator pegajoso pode ser um pequeno incômodo.
  • No entanto, parece pegajoso ao ser aplicado.
  • Algumas manchas do gel podem ficar para trás quando removidas.
  • A fita de gelo também pode grudar nas roupas.

Para indivíduos que procuram uma terapia de resfriamento rápida e em movimento para partes do corpo feridas ou doloridas, gelo fita pode ser uma opção. Pode ser bom ter à mão para fornecer compressão de resfriamento se ocorrer uma lesão leve durante a participação em atletismo ou atividades físicas e alívio para lesões por uso excessivo ou por esforço repetitivo.


Tratamento de entorses de tornozelo


Referências

Medicina de Michigan. Universidade de Michigan. Descanso, Gelo, Compressão e Elevação (RICE).

Bloco JE (2010). Frio e compressão no manejo de lesões musculoesqueléticas e procedimentos operatórios ortopédicos: uma revisão narrativa. Jornal de acesso aberto de medicina esportiva, 1, 105–113. doi.org/10.2147/oajsm.s11102

Kraeutler, MJ, Reynolds, KA, Long, C., & McCarty, EC (2015). Crioterapia compressiva versus gelo – um estudo prospectivo e randomizado sobre dor pós-operatória em pacientes submetidos a reparo artroscópico do manguito rotador ou descompressão subacromial. Jornal de cirurgia de ombro e cotovelo, 24(6), 854–859. doi.org/10.1016/j.jse.2015.02.004

Entenda a lesão no dedo do pé: sintomas, tratamento e recuperação

Entenda a lesão no dedo do pé: sintomas, tratamento e recuperação

Para indivíduos que sofrem uma lesão no dedo do pé, conhecer os sintomas pode ajudar atletas e não atletas no tratamento, no tempo de recuperação e no retorno às atividades?

Entenda a lesão no dedo do pé: sintomas, tratamento e recuperação

Lesão no dedo do pé do gramado

Uma lesão no dedo do pé afeta os ligamentos e tendões dos tecidos moles na base do dedão do pé, sob o . Essa condição geralmente ocorre quando o dedo do pé está hiperestendido/forçado para cima, como quando a planta do pé está no chão e o calcanhar está levantado. (Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos. 2021) A lesão é comum entre atletas que praticam esportes em grama artificial, daí o nome da lesão. No entanto, também pode afetar não atletas, como indivíduos que trabalham em pé o dia todo.

  • O tempo de recuperação após uma lesão no dedo do pé depende da gravidade e do tipo de atividades às quais o indivíduo planeja retornar.
  • O retorno às atividades esportivas de alto nível após uma lesão grave pode levar seis meses.
  • Essas lesões variam em gravidade, mas geralmente melhoram com tratamento conservador. Em casos graves, a cirurgia pode ser necessária.
  • A dor é o principal problema que interrompe as atividades físicas após uma lesão de grau 1, enquanto os graus 2 e 3 podem levar semanas a meses para cicatrizar completamente.

Significado

Uma lesão no dedo do pé refere-se a um distensão da articulação metatarsofalângica. Esta articulação compreende ligamentos que conectam o osso da sola do pé, abaixo do dedão do pé/falange proximal, aos ossos que conectam os dedos dos pés aos ossos maiores dos pés/metatarsos. A lesão geralmente é causada por hiperextensão que geralmente resulta de um movimento de impulso, como correr ou pular.

Classificação

Lesões nos dedos dos pés podem variar de leves a graves e são classificadas da seguinte forma: (Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos. 2021)

  • Grade 1 – O tecido mole é esticado, causando dor e inchaço.
  • Grade 2 – O tecido mole está parcialmente rasgado. A dor é mais pronunciada, com inchaço e hematomas significativos, e é difícil movimentar o dedo do pé.
  • Grade 3 – Os tecidos moles estão completamente rompidos e os sintomas são graves.

É isso que está causando dor no meu pé?

A biqueira de grama pode ser:

  • Lesão por uso excessivo – causada pela repetição repetida do mesmo movimento por um período prolongado, que piora os sintomas.
  • Lesão aguda – que ocorre repentinamente, causando dor imediata.

Os sintomas podem incluir o seguinte: (Massa General Brigham. 2023)

  • Amplitude de movimento limitada.
  • Ternura no dedão do pé e área circundante.
  • Inchaço.
  • Dor no dedão do pé e área circundante.
  • Hematomas.
  • Articulações soltas podem indicar que há uma luxação.

Diagnóstico

Se tiver sintomas de dedo do pé, consulte um médico para um diagnóstico adequado para que ele possa desenvolver um plano de tratamento personalizado. Eles realizarão um exame físico para avaliar dor, inchaço e amplitude de movimento. (Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos. 2021) Se o médico suspeitar de danos nos tecidos, ele poderá recomendar exames de imagem com raios X e (MRI) para avaliar a lesão e determinar o curso de ação adequado.

foliar

Um profissional de saúde determinará o melhor tratamento com base na gravidade da lesão. Todas as lesões nos dedos dos pés podem se beneficiar do protocolo RICE: (Colégio Americano de Cirurgiões de Pé e Tornozelo. Fatos sobre a saúde dos pés. 2023)

  1. Descanso – Evite atividades que piorem os sintomas. Isso pode incluir o uso de um dispositivo auxiliar, como botas de caminhada ou muletas, para reduzir a pressão.
  2. Gelo – Aplique gelo por 20 minutos e espere 40 minutos antes de reaplicar.
  3. Compressão – Envolva o dedo do pé e o pé com uma bandagem elástica para apoiar e reduzir o inchaço.
  4. Elevação – Apoie o pé acima do nível do coração para ajudar a diminuir o inchaço.

Grade 1

O dedo do pé de grama grau 1 é classificado por tecido mole esticado, dor e inchaço. Os tratamentos podem incluir: (Ali-Asgar Najefi et al., 2018)

  • Gravação para apoiar o dedo do pé.
  • Usar sapatos com sola rígida.
  • Suporte ortopédico, como um placa de relva.

Graus 2 e 3

Os graus 2 e 3 apresentam ruptura parcial ou total do tecido, dor intensa e inchaço. Os tratamentos para dedos mais graves podem incluir: (Ali-Asgar Najefi et al., 2018)

  • Suporte de peso limitado
  • Usar dispositivos auxiliares como muletas, bota de caminhada ou gesso.

Outro Tratamento

  • Menos de 2% dessas lesões requerem cirurgia. Geralmente é recomendado se houver instabilidade na articulação ou quando os tratamentos conservadores não tiverem sucesso. (Ali-Asgar Najefi et al., 2018) (Zachariah W. Pinter e outros, 2020)
  • A fisioterapia é benéfica para diminuir a dor e melhorar a amplitude de movimento e a força após uma lesão. (Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos. 2021)
  • A fisioterapia também inclui exercícios de propriocepção e treinamento de agilidade, órteses e uso de calçados recomendados para atividades físicas específicas. (Lisa Chinn, Jay Hertel. 2010)
  • Um fisioterapeuta também pode ajudar a garantir que o indivíduo não retorne às atividades físicas antes que a lesão esteja totalmente curada e evitar o risco de nova lesão.

Tempo de recuperação

A recuperação depende da gravidade da lesão. (Ali-Asgar Najefi et al., 2018)

  • Grau 1 – Subjetivo, pois varia de acordo com a tolerância à dor do indivíduo.
  • Grau 2 – Quatro a seis semanas de imobilização.
  • Grau 3 – Mínimo de oito semanas de imobilização.
  • Pode levar até seis meses para retornar ao funcionamento normal.

Voltando às atividades normais

Após uma lesão no dedo do pé de grau 1, os indivíduos podem retornar às atividades normais quando a dor estiver sob controle. Os graus 2 e 3 demoram mais para cicatrizar. O retorno às atividades esportivas após uma lesão de grau 2 pode levar cerca de dois ou três meses, enquanto lesões de grau 3 e casos que necessitam de cirurgia podem levar até seis meses. (Ali-Asgar Najefi et al., 2018)


Tratamento Quiroprático Desportivo


Referências

Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos. (2021). Dedo de turfa.

Massa General Brigham. (2023). Dedo de turfa.

Colégio Americano de Cirurgiões de Pé e Tornozelo. Fatos sobre a saúde dos pés. (2023). Protocolo ARROZ.

Najefi, AA, Jeyaseelan, L. e Welck, M. (2018). Dedo do pé de grama: uma atualização clínica. Revisões abertas do EFORT, 3(9), 501–506. doi.org/10.1302/2058-5241.3.180012

Pinter, ZW, Farnell, CG, Huntley, S., Patel, HA, Peng, J., McMurtrie, J., Ray, JL, Naranje, S., & Shah, AB (2020). Resultados do reparo crônico do dedo do pé em grama na população não-atleta: um estudo retrospectivo. Jornal indiano de ortopedia, 54(1), 43–48. doi.org/10.1007/s43465-019-00010-8

Chinn, L. e Hertel, J. (2010). Reabilitação de lesões de tornozelo e pé em atletas. Clínicas em medicina esportiva, 29(1), 157–167. doi.org/10.1016/j.csm.2009.09.006

Guia abrangente para recuperação de lesão de osteíte púbica

Guia abrangente para recuperação de lesão de osteíte púbica

Atletas e indivíduos fisicamente ativos que participam de atividades, exercícios e esportes que envolvem chutes, giros e/ou mudanças de direção podem desenvolver lesão por uso excessivo da pelve na sínfise/articulação púbica na frente da pelve, conhecida como osteíte púbica. Reconhecer os sintomas e as causas pode ajudar no tratamento e na prevenção?

Guia abrangente para recuperação de lesão de osteíte púbica

Lesão de Osteíte Púbica

A osteíte púbica é a inflamação da articulação que conecta os ossos pélvicos, chamada sínfise pélvica, e as estruturas ao seu redor. A sínfise púbica é uma articulação localizada na frente e abaixo da bexiga. Ele mantém os dois lados da pélvis juntos na frente. A sínfise púbica tem muito pouco movimento, mas quando um estresse anormal ou contínuo é colocado na articulação, podem ocorrer dores na virilha e na pelve. Uma lesão de osteíte púbica é uma lesão por uso excessivo comum em indivíduos e atletas fisicamente ativos, mas também pode ocorrer como resultado de trauma físico, gravidez e/ou parto.

Sintomas

O sintoma mais comum é dor na parte frontal da pélvis. A dor é mais frequentemente sentida no centro, mas um lado pode ser mais doloroso que o outro. A dor normalmente irradia/se espalha para fora. Outros sinais e sintomas incluem: (Patrick Gomella, Patrick Mufarrij. 2017)

  • Dor abdominal inferior no centro da pélvis
  • Mancando
  • Fraqueza no quadril e/ou nas pernas
  • Dificuldade em subir escadas
  • Dor ao caminhar, correr e/ou mudar de direção
  • Sons de clique ou estalo com movimento ou ao mudar de direção
  • Dor ao deitar de lado
  • Dor ao espirrar ou tossir

A osteíte púbica pode ser confundida com outras lesões, incluindo distensão / distensão na virilha, hérnia inguinal direta, neuralgia ilioinguinal ou fratura pélvica por estresse.

destaque

Uma lesão de osteíte púbica geralmente ocorre quando a articulação da sínfise é exposta a estresse direcional excessivo e contínuo e ao uso excessivo dos músculos do quadril e das pernas. As causas incluem: (Patrick Gomella, Patrick Mufarrij. 2017)

  • Atividades desportivas
  • Exercitar
  • Gravidez e parto
  • Lesão pélvica como uma queda grave

Diagnóstico

A lesão é diagnosticada com base em exame físico e exames de imagem. Outros testes podem ser usados ​​para descartar outras causas possíveis.

  • O exame físico envolverá a manipulação do quadril para colocar tensão nos músculos do tronco reto abdominal e nos grupos musculares adutores da coxa.
  • A dor durante a manipulação é um sinal comum da doença.
  • Os indivíduos podem ser solicitados a caminhar para procurar irregularidades nos padrões de marcha ou para ver se ocorrem sintomas com determinados movimentos.
  1. As radiografias normalmente revelam irregularidades nas articulações, bem como esclerose/espessamento da sínfise púbica.
  2. Ressonância magnética – a ressonância magnética pode revelar inflamação nas articulações e nos ossos circundantes.
  3. Alguns casos não mostram sinais de lesão em um raio-X ou ressonância magnética.

foliar

O tratamento eficaz pode levar vários meses ou mais. Como a inflamação é a causa subjacente dos sintomas, o tratamento geralmente envolve: (Trícia Beatty. 2012)

Resto

  • Permite que a inflamação aguda diminua.
  • Durante a recuperação, dormir de costas pode ser recomendado para reduzir a dor.

Aplicações de gelo e calor

  • As bolsas de gelo ajudam a reduzir a inflamação.
  • O calor ajuda a aliviar a dor depois que o inchaço inicial diminui.

Fisioterapia

  • A fisioterapia pode ser extremamente útil no tratamento da doença para ajudar a recuperar a força e a flexibilidade. (Alessio Giai Via, et al., 2019)

Medicação Antiinflamatória

  • Medicamentos antiinflamatórios não esteróides de venda livre – AINEs como o ibuprofeno e o naproxeno podem reduzir a dor e a inflamação.

Dispositivos auxiliares para caminhada

  • Se os sintomas forem graves, podem ser recomendadas muletas ou bengala para reduzir o estresse no pélvis.

Cortisona

  • Houve tentativas de tratar a doença com injeções de cortisona, mas as evidências que apoiam seu uso são limitadas e precisam de mais pesquisas. (Alessio Giai Via, et al., 2019)

Prognóstico

Uma vez diagnosticado, o prognóstico de recuperação total é ideal, mas pode levar algum tempo. Alguns indivíduos podem levar seis meses ou mais para retornar ao nível de função anterior à lesão, mas a maioria retorna em torno de três meses. Se o tratamento conservador não proporcionar alívio após seis meses, a cirurgia pode ser recomendada. (Michael Dirkx, Christopher Vitale. 2023)


Reabilitação de Lesões Esportivas


Referências

Gomella, P. e Mufarrij, P. (2017). Osteíte púbica: uma causa rara de dor suprapúbica. Revisões em urologia, 19(3), 156–163. doi.org/10.3909/riu0767

Beatty T. (2012). Osteíte púbica em atletas. Relatórios atuais de medicina esportiva, 11(2), 96–98. doi.org/10.1249/JSR.0b013e318249c32b

Via, AG, Frizziero, A., Finotti, P., Oliva, F., Randelli, F., & Maffulli, N. (2018). Manejo da osteíte púbica em atletas: reabilitação e retorno aos treinos – uma revisão da literatura mais recente. Jornal de acesso aberto de medicina esportiva, 10, 1–10. doi.org/10.2147/OAJSM.S155077

Dirkx M, Vitale C. Osteíte púbica. [Atualizado em 2022 de dezembro de 11]. In: StatPearls [Internet]. Ilha do Tesouro (FL): Publicação StatPearls; 2023 janeiro-. Disponível a partir de: www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK556168/

Lesões no joelho no ângulo Q / quadríceps em atletas femininas

Lesões no joelho no ângulo Q / quadríceps em atletas femininas

O ângulo Q ou quadríceps é uma medida da largura pélvica que se acredita contribuir para o risco de lesões esportivas em mulheres atletas. As terapias e exercícios não cirúrgicos podem ajudar na reabilitação de lesões?

Lesões no joelho no ângulo Q / quadríceps em atletas femininas

Quadríceps Q – Lesões no Ângulo

A Ângulo Q é o ângulo onde o fêmur/osso da perna encontra a tíbia/osso da perna. É medido por duas linhas que se cruzam:

  • Um do centro da patela/rótula até a espinha ilíaca ântero-superior da pelve.
  • A outra vai da patela ao tubérculo tibial.
  • Em média, o ângulo é três graus mais alto nas mulheres do que nos homens.
  • Média de 17 graus para mulheres e 14 graus para homens. (Ramada R Khasawneh, et al., 2019)
  • Especialistas em medicina esportiva associaram uma pélvis mais larga a um ângulo Q maior. (Ramada R Khasawneh, et al., 2019)

As mulheres apresentam diferenças biomecânicas que incluem uma pelve mais larga, facilitando o parto. Porém, essa diferença pode contribuir para lesões nos joelhos durante a prática esportiva, pois o aumento do ângulo Q gera mais estresse na articulação do joelho, além de levar ao aumento da pronação do pé.

Lesões

Vários fatores podem aumentar o risco de lesões, mas um ângulo Q mais amplo tem sido associado às seguintes condições.

Síndrome da Dor Patelofemoral

  • Um ângulo Q aumentado pode fazer com que o quadríceps puxe a rótula, deslocando-a para fora do lugar e causando um rastreamento patelar disfuncional.
  • Com o tempo, isso pode causar dor no joelho (abaixo e ao redor da rótula) e desequilíbrio muscular.
  • Órteses para os pés e suportes de arco podem ser recomendados.
  • Alguns pesquisadores encontraram uma ligação, enquanto outros não encontraram a mesma associação. (Wolf Petersen, et al., 2014)

Condromalácia do Joelho

  • Este é o desgaste da cartilagem na parte inferior da rótula.
  • Isto leva à degeneração das superfícies articulares do joelho. (Enrico Vaienti, et al., 2017)
  • O sintoma comum é dor abaixo e ao redor da rótula.

Lesões ACL

  • As mulheres têm taxas mais altas de lesões do LCA do que os homens. (Yasuhiro Mitani. 2017)
  • Um ângulo Q aumentado pode ser um fator que aumenta o estresse e faz com que o joelho perca a estabilidade.
  • No entanto, isso permanece controverso, pois alguns estudos não encontraram associação entre o ângulo Q e lesões no joelho.

Tratamento quiroprático

Exercícios de fortalecimento

  • Os programas de prevenção de lesões do LCA concebidos para mulheres resultaram na redução de lesões. (Trent Nessler, et al., 2017)
  • A vasto medial oblíquo ou VMO é um músculo em forma de lágrima que ajuda a mover a articulação do joelho e estabilizar a rótula.
  • O fortalecimento do músculo pode aumentar a estabilidade da articulação do joelho.
  • O fortalecimento pode exigir um foco específico no tempo de contração muscular.
  • Exercícios de cadeia fechada, como agachamentos na parede, são recomendados.
  • O fortalecimento dos glúteos melhorará a estabilidade.

Exercícios de alongamento

  • Alongar os músculos tensos ajudará a relaxar a área lesionada, aumentar a circulação e restaurar a amplitude de movimento e função.
  • Os músculos comumente considerados tensos incluem o quadríceps, isquiotibiais, banda iliotibial e gastrocnêmio.

Órteses pé

  • Órteses flexíveis e personalizadas diminuem o ângulo Q e reduzem a pronação, aliviando o estresse adicional no joelho.
  • Uma órtese personalizada garante que a dinâmica do pé e da perna seja considerada e corrigida.
  • Sapatos com controle de movimento também podem ajudar a corrigir a pronação excessiva.

Reabilitação do Joelho


Referências

Khasawneh, RR, Allouh, MZ e Abu-El-Rub, E. (2019). Medição do ângulo do quadríceps (Q) em relação a vários parâmetros corporais na população jovem árabe. PloS um, 14(6), e0218387. doi.org/10.1371/journal.pone.0218387

Petersen, W., Ellermann, A., Gösele-Koppenburg, A., Best, R., Rembitzki, IV, Brüggemann, GP, & Liebau, C. (2014). Síndrome da dor femoropatelar. Cirurgia do joelho, traumatologia esportiva, artroscopia: Jornal Oficial da ESSKA, 22(10), 2264–2274. doi.org/10.1007/s00167-013-2759-6

Vaienti, E., Scita, G., Ceccarelli, F., & Pogliacomi, F. (2017). Compreender o joelho humano e sua relação com a artroplastia total do joelho. Acta biomédica: Atenei Parmensis, 88(2S), 6–16. doi.org/10.23750/abm.v88i2-S.6507

Mitani Y. (2017). Diferenças relacionadas ao gênero no alinhamento dos membros inferiores, amplitude de movimento articular e incidência de lesões esportivas em atletas universitários japoneses. Jornal de Ciência da Fisioterapia, 29(1), 12–15. doi.org/10.1589/jpts.29.12

Nessler, T., Denney, L. e Sampley, J. (2017). Prevenção de lesões do LCA: o que a pesquisa nos diz? Revisões atuais em medicina musculoesquelética, 10(3), 281–288. doi.org/10.1007/s12178-017-9416-5